terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A JUSTIÇA COMEÇA EM CASA... NA CAMA!


Hermes C. Fernandes
A justiça começa em Casa! Cresci ouvindo isso dos lábios de meu pai. Nossa
família deveria ser modelo para as demais famílias da igreja. Ser filho de
pastor não era apenas um privilégio, mas uma responsabilidade.
Deus tem interesse de que a justiça do Seu reino seja implantada neste mundo
e que Sua vontade seja feita aqui na terra como no céu.
Porém, há um caminho que esta justiça tem que percorrer até que o mundo seja
inteiramente tomado por ela.
Este caminho tem vários estágios, e os primeiros deles passam pela família.
Resumindo, a justiça começa sua jornada em Casa, nos relacionamentos
familiares, depois adentra a igreja, e desta para as nações.
Usando a metáfora bíblica, a justiça é como um Rio, cuja nascente é o
coração de Deus, que jorra inicialmente no coração do homem que se torna
nova criatura, afetando todos os seus relacionamentos, a começar pelos
familiares. “Corra, porém, a justiça como as águas, e a retidão como ribeiro
perene” (Amós 5:24). À medida em que este Rio avança, sua calha FICA mais
profunda e larga (Ez.47).
Muitos cristãos sinceros aguardam por uma intervenção divina que porá fim às
injustiças no mundo. Porém, esta intervenção já se deu, quando fomos
visitados pelo “Sol da justiça” (Ml.4:2; Lc.1:78-79).
Se quisermos compreender a trajetória da justiça do Reino na História, até o
seu estabelecimento pleno, basta investigarmos a trajetória feita pelo Sol.
O astro rei nasce no Oriente, discretamente, e aos poucos, seus raios vão
dissipando as trevas, até que seja dia perfeito. Deus Se compromete através
dos lábios de Malaquias: “Desde o nascente do Sol até o poente o meu Nome
será Grande entre as nações” (Ml.1:11a). Não significa que o Sol da justiça
irá se pôr um dia, mas que a justiça de Deus abarcará toda a extensão da
terra, do Oriente ao Ocidente.
Cristo é o Sol da Justiça, e veio ao mundo discretamente, nascendo num lar
pobre do Oriente Médio.
É no contexto familiar que a justiça encontra seu berço. Toda a injustiça
prevalecente no mundo, e que tanto nos enoja, parte do ambiente doméstico. É
Ali que ela é engendrada.
O político corrupto, o traficante sanguinário, o empresário ganancioso, são
todos frutos da mesma árvore. Se não estancarmos esta hemorragia moral e
ética, a sociedade humana perderá totalmente seu brio.
Jamais lograremos mudar as instituições, se não começarmos esta mudança pela
mãe de todas elas, a família.
Portanto, é correto o adágio que diz que a justiça começa em Casa.
Poderíamos localizar com mais precisão o lugar de onde ela deveria jorrar?
Em que lugar da Casa a justiça deveria ter seu ponto de partida?
Eu diria, sem medo errar: a justiça começa na cama.
Antes de justificar o que acabo de afirmar, permita-me uma rápida digressão.
O que é justiça, afinal? Qual o conceito bíblico de justiça?
Justiça é Dar a cada um o que lhe é de direito.
Paulo nos apresenta este conceito na passagem em que fala de nossa relação
com as autoridades constituídas:
“Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem
imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra” (Rm.13:7).
Quando se fala de tributos e impostos, o foco recai em nossa relação com o
Estado. Sonegar equivaleria a privar o Estado de algo que lhe é de direito.
Portanto, trata-se de uma injustiça.
Quando se fala de temor, o escopo é mais abrangente, e se estende à nossa
relação com Deus. Deixar de temê-lO também é um ato de injustiça.
Em Apocalipse encontramos um dos mais lindos hinos já compostos:
“Grandes e maravilhosas são as tuas obras, ó Senhor Deus Todo-poderoso.
Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei dos séculos. Quem não te
temerá, ó Senhor, e não glorificará o teu Nome? Pois só TU és Santo. Todas
as nações virão, e se prostrarão diante de it, pois os teus juízos são
manifestos” (Ap.15:3b-4).
Quando a justiça de Deus encher toda a terra, todo homem O temerá, todo
joelho se dobrará e toda língua confessará Sua soberania. Ele finalmente
será temido em todas as nações.
Deixando um pouco o Apocalipse, voltemos pra cama do casal…
Paulo fala de tributos, impostos, temor e… honra!
E o que isso tem a ver com a cama?
Leia o que diz o escritor sagrado acerca da cama do casal:
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula,
pois aos devassos e adúlteros Deus os julgará” (Hb.13:4).
O tradutor usa a palavra “leito”, que é sinônimo de “cama”; talvez por ser
uma palavra mais elegante. Porém, o texto original usa o vocábulo grego
“koité”, de onde vem a palavra “coito”. Portanto, tanto o matrimônio quanto
o coito (o ato sexual em si) devem ser igualmente honrados.
É aí que começa o percurso da justiça no mundo, até alcançar as nações.
Parece bobagem? Mas não é!
Nossa sociedade tem transformado o sexo numa coisa suja, banalizando-o,
coisificando-o. Rita Lee retrata isso em uma de suas composições, em que diz
que o amor é cristão, mas o sexo é pagão.
A pornografia nada mais é do que a vulgarização de algo sagrado, a perversão
da justiça.
Como deixamos de honrar o matrimônio e o ato sexual?
Deixemos que Paulo nos diga:
“O marido pague à mulher o que lhe é devido, e da mesma sorte a mulher ao
marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o
marido. Do mesmo modo o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas
tem-no a mulher. Não vos defraudeis um ao outra, senão por consentimento
mútuo por algum tempo, para vos aplicardes à oração. Depois ajuntai-vos
outra vez, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência” (1 Co
7:3-5).
Pode parecer que Paulo esteja sendo rude. Como reduzir a relação sexual a um
pagamento? Porém, não é esta a intenção do apóstolo. Ele está pensando em
termos de justiça, o que implica em deveres e direitos.
Não me venha com essa de que Paulo era machista. Tanto o homem quanto a
mulher tem os mesmos direitos e deveres.
O corpo do homem já não lhe pertence mais. Tão-pouco o corpo da mulher.
Imaginemos a cama como um altar. Ela não apenas tem a forma de uma altar
(lugar alto, acima do nível do chão, em formato retangular), como também o
que ali é feito (além de dormir, é claro…) tem o caráter de oferta.
Assim como devemos oferecer nossos corpos em sacrifício santo e agradável a
Deus (Rm.12:1), devemos também oferecer nossos corpos em oferta de amor ao
nosso cônjuge.
Nosso corpo é um direito que nosso cônjuge tem. Nosso dever é mantê-lo
disponível. E isso vale para os dois. Privar o outro disso equivale a
defraudar, isto é, cometer uma injustiça. A única excessão à regra é quando
um dos cônjuges pretende dedicar-se por um tempo à oração. Mesmo assim, tem
que ter o aval do outro. E tão logo termine o período de oração, devem
disponibilizar-se mutuamente. E isso, segundo Paulo, para que Satanás não se
aproveite de nossa fraqueza.
Engana-se quem pensa que Paulo legislou em causa própria, pois sequer era
casado. Muito antes dele, o sábio Salomão escreveu:
“Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de vida da tua vaidade, os
quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade. Porque esta
é a tua porção nesta vida, e do teu trabalho, que tu fazes debaixo do sol”
(Ec.9:9).
Nossa porção está nas mãos de quem amamos. Ninguém tem o direito de reter a
porção pertencente ao outro. E se possível (caso haja disposição pra isso),
todos os dias de sua vaidade. rs
Claro que ninguém é de ferro. Porém, o casal deve buscar manter certa
sincronia, em que o desejo de um coincida com o desejo do outro. Isso será
conquistado à medida que estreitarem sua comunhão e intimidade. Quanto mais
conhecemos a pessoa amada, mais nos adequamos a ela.
Uma vida sexual descompensada nos afeta em todas as áreas, inclusive nosso
relacionamento com Deus e com os demais.
Veja o que Pedro diz:
“Igualmente, vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à
mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça
da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações” (1 Pe.3:7).
Deus Se recusa a ouvir e atender a oração de maridos que abusem da
fragilidade de suas esposas. Não há maior castigo do que este. Em matéria de
sexo, a mulher é a parte mais frágil e vulnerável. Portanto, cabe a ela a
honra de estabelecer quais são os limites a serem respeitados pelo marido.
Nesta questão, a mulher deve ter primazia. Este princípio pode ser observado
em outra passagem, em que Paulo fala do relacionamento entre os membros do
Corpo de Cristo: “Antes, os membros do corpo que parecem ser mais fracos,
são necessários, e os que nos parecem menos honrosos no corpo, a esses
honramos muito mais…” (1 Co.12:22-23a).
Se alguém me pergunta o que vale e o que não vale entre quatro paredes,
minha resposta é: pergunte à sua mulher.
O problema é que muitos não sabem respeitar e honra seus próprios corpos,
como poderão respeitar e honrar o corpo de seu cônjuge?
A recomendação de Paulo é clara:
“Que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra;
não no desejo da lascívia, como os gentios, que não conhecem a Deus; e que,
nesta matéria, ninguém oprima ou engane a seu irmão. O Senhor é vingador de
todas estas coisas, como também antes vo-lo dissemos e testificamos” (1 Ts
4:4-6).
Ninguém tem o direito de transformar o sexo numa arma para dominar o outro a
seu bel-prazer. Nem usá-lo como chantagem para tirar do outro o que quiser.
É lógico que entre o casal deve haver desejo, cumplicidade, ou como diriam
alguns, tesão. O que Paulo chama de lascívia é o que hoje chamaríamos de
tara, perversão. Nossas fantasias sexuais devem manter-se no terreno da
sanidade.
O homem tem que entender que sua mulher, além de mãe dos seus filhos, é
herdeira da mesma graça da vida. Não é um objeto, uma atriz pornô ou uma
garota de programa. Por isso, seus escrúpulos têm que ser considerados, e
seus limites respeitados.
Só pode haver uma entrega total onde haja confiança total. Parafraseando o
salmista, “entregue seu corpo ao seu cônjuge, confia nele, e o mais ele
fará…” Porém, confiança se conquista com o tempo. Mulheres que sofreram
abusos de seus maridos, terão dificuldade em voltar a confiar. Estarão
sempre com um pé atrás.
A mulher necessita sentir-se amada, e não usada. Já o homem necessita
sentir-se desejado, e não apenas estimado. Se ambos compreenderem os desejos
e os limites do outro, tudo fluirá sem dificuldade.
Em vez de encarar a relação sexual apenas como um dever, que tal encará-la
como um direito a ser usufruído e compartilhado com quem se ama?