terça-feira, 12 de janeiro de 2010

meditação diária - JUERP


Meditação do dia

Terça-Feira - 22/02/2011

Os livros poéticos (I) – Os Salmos: Culto, louvor e adoração (II)

A superioridade do Senhor
Leitura diária: Salmo 82.1-8
Leitura da Bíblia em um ano: Números, capítulos 16, 17 e 18


Em linguagem humana é isto que Asafe está reconhecendo em seu salmo de louvor e exaltação ao Deus único e verdadeiro: ele é superior a todos "os demais deuses pagãos" das nações circunvizinhas de Israel que, no entendimento da melhor teologia dos hebreus, inexistiam, ou seja, "deuses que não são Deus".

Davi já falava sobre isso no Salmo 86.10: "Só tu és Deus"; Isaías afirma isso também em 37.16 de seu livro: "Tu, só tu, és o Deus de todos os reinos da terra"; ou ainda no versículo 20 deste mesmo capítulo, diante do perigo que rondava Israel em face da invasão inimiga:"...para que todos os reinos da terra saibam que só tu és o Senhor"; ou um pouco mais além, o profeta vai escrever em 44.8 as palavras do Senhor: "Acaso há outro Deus além de mim? Não, não há Rocha; não conheço nenhuma"; para confirmar em 45.22: "porque eu sou Deus, e não há outro"; e ainda em 46.9: "Eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim".


A verdade é que o salmista não tinha outra forma de expressar a superioridade deste Deus, a não ser comparando aos deuses que os povos vizinhos diziam ter, deuses que no dizer de outro salmista (115.4-7) "são ídolos de ouro e prata... têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não vêem; têm ouvidos, mas não ouvem; têm nariz, mas não cheiram; têm mãos mas não apalpam; têm pés, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta".


Como Asafe queria criticar e acusar os juízes que estavam praticando a corrupção em Israel, ele faz a comparação para mostrar que os juízes estavam sob o julgamento do Senhor Deus de Israel, o único e verdadeiro juiz, Justo e Santo.


Segundo o salmista, eles poderiam até se julgarem como deuses, no sentido de que julgavam as causas dos homens, mas, tais como os deuses dos outros povos que faziam parte de uma "assembleia divina" que não existia, pois eram ídolos  sem valor, eles eram falíveis e limitados diante do único Juiz, o Senhor Deus "que julga a terra, pois a ti pertencem as nações". Daí, o seu destino final:


"Todavia, como homens haveis de morrer e,
como quaisquer dos príncipes haveis de cair" (Sl 82.7).


Oração para o dia:
Faze-me, Senhor, viver na tua presença de maneira justa e santa, não permitindo que seja eu atraído pelos laços da corrupção e da fraude.